Aprendendo com Keller

Minha irmã tem um livro chamado “A Cruz do Rei”, de Timothy Keller, que trouxe uma renovação para a minha vida cristã. E não falo por religião, mas sim por amor a alguém que é grande e se fez pequeno. O Rei se entregou e pagou por uma  dívida que não era dele, mas nossa. E este livro nos apresenta a vida e o propósito da morte de Jesus Cristo em uma cruz. De todos os livros que eu já li (romances, poesias, didáticos e histórias), nenhum tocou o meu coração como este.

Porém, não é dele que quero falar exclusivamente. Um tal de sr. intelectual (o qual eu apelidei assim rs) tinha  vontade de  ler a Cruz do Rei. Combinamos de fazer uma troca: emprestaria o livro da minha irmã e ele me emprestaria um dos vários livros de seu acervo. Por conhecer  um pouco de sua personalidade (estudioso, curioso e inteligente), imaginei que ele com certeza teria algum que me proporcionasse uma leitura agradável. Como não tinha a possibilidade de escolher, sugeri que ele me emprestasse o livro do mesmo autor (Keller), devido à minha experiência com a outra obra já mencionada.

Eis aqui o motivo do meu post: o livro “Justiça Generosa – a graça de Deus e a justiça social”.  Esta é uma prova de que Timothy é um escritor que possui uma base de conhecimento e graça de Deus, capaz de  modificar o pensamento do leitor. Isto porque trata a vida cristã de uma forma pouco abordada e vivenciada na atualidade.

Nós ficamos muito tempo nos preocupando apenas com a nossa própria vida e conduta, como se fosse suficiente para nos conduzir à salvação. E então, ignoramos um dos mandamentos que Jesus nos deixou: amar ao próximo como a nós  mesmos.

Keller aponta para a prática da Justiça;  nos relatos do Novo Testamento, vemos que durante toda a sua trajetória, Jesus teve um cuidado especial para com os pobres e injustiçados. E nós que desejamos fazer a coisa certa, precisamos fazer o mesmo.

A função da igreja em si não é estar voltada apenas para quem está dentro, mas se preocupar com aqueles que estão sofrendo por motivos diversos e fazer o possível para melhorar/estabelecer condições de vida (financeira, social, educacional e familiar). O que ele quer dizer com isso? – Fazer o bem e ajudar a todos que precisarem, sem esperar qualquer tipo de retribuição.

Confesso que ler este livro causou um conflito em mim, e comecei a rever minhas próprias atitudes. Quantas vezes eu deixei de estender a mão para alguém por achar que esta pessoa faria mau uso do que eu ofereceria. Percebi que não cabe a nós escolher a quem ajudar de acordo com os nossos próprios julgamentos. Temos que fazer justiça a todos!

Fazer justiça é dar a chance dos oprimidos, excluídos  e negligenciados de conseguir mudar de vida. E é o nosso dever como cidadãos/cristãos/pessoas. É olhar para quem estar sofrendo e pensar em uma forma de mudar a situação. Além disso,  fazer com que a pessoa tenha a possibilidade de, com a sua ajuda, caminhar sozinha e progredir. Então, devemos  amenizar o problema e dar alternativas para que ele diminua até desaparecer. Devemos cuidar dos órfãos, das viúvas  e dos pobres como cuidaríamos de nós mesmos; pessoas que por meio de circunstâncias distintas, sofrem injustiças e são deixadas à margem da sociedade.

Eu estou encantada com este autor por conseguir passar uma mensagem tão valiosa, ao ponto de tocar o meu coração. Não basta ter uma vida digna, correta, se nossa alma não se compadecer da dor do outro. A Justiça Generosa deve habitar em nós e fazer a diferença. Essa justiça vem do coração de Deus para o nosso para que possamos fazer o que lhe é agradável.

O Filho de Deus sofreu neste mundo e não teve onde repousar a sua cabeça. Assim como pessoas estão sofrendo, esperando que um “bom samaritano” apareça  e cuide de suas feridas.

De uma coisa eu tenho certeza: se eu tiver oportunidade de viajar para o exterior, quero dar um abraço em Timothy Keller. ❤

 

Você sabe o que é Permacultura Urbana?

Alternativa para preservar recursos naturais pode ser saída para as grandes cidades

A permacultura surgiu a partir da necessidade de locais para lazer e interação com ambientes naturais, principalmente nos grandes centros urbanos. É uma forma de estabelecer um elo entre as pessoas e a natureza, pensando no mundo de uma forma sustentável. 

O instituto Casa da Cidade, localizado na Vida Madalena, é um dos locais que oferecem o curso de Permacultura em São Paulo. Entrevistamos uma das coordenadoras pedagógicas do instituto, Nádia Recioli, que nos contou sobre a finalidade da Casa e suas atividades: “Desde que firmada a parceria entre o Coletivo PermaSampa e o Instituto Casa da Cidade, temos oferecido o Curso de Design em Permacultura Urbana, que está formando sua quinta turma”. O curso é em formato modular e os horários são flexíveis para adaptar à rotina dos alunos. Não existe um perfil definido para as pessoas que frequentam esse espaço, mas é comum a presença de pessoas que estejam “vivendo algum tipo de transição, seja profissional ou pessoal”. 

Além das atividades programadas, a Casa da Cidade promove debates e atividades relacionadas ao tema, como políticas públicas ambientais. “O sentido da Permacultura é resolver os problemas que criamos para nós mesmos, redesenhando
nossa maneira de estar no mundo em prol de uma vida mais equilibrada e justa para todos os seres”, comenta Nádia.

O curso está voltado para a ação em comunidade, com a produção de alimentos em hortas nas praças e canteiros nos arredores. É necessário ter muita criatividade para alterar o ambiente e estabelecer um novo padrão de vida para as pessoas. Nádia reforça que: “A Ética da Permacultura propõe que cuidemos da Terra, cuidemos das pessoas, e façamos a partilha justa dos excedentes e recursos”.  

A permacultura torna-se então uma alternativa para o planejamento sustentável de grandes cidades como São Paulo, onde temos mais áreas construídas do que áreas verdes. As pessoas poderiam plantar e colher alimentos, contribuindo não apenas para a preservação do meio ambiente, mas também para a alimentação saudável dos menos favorecidos que vivem nas comunidades da cidade e da população
em geral. 

Pete Webb é australiano e formado em agricultura biodinâmica e falou sobre sua experiência com a permacultura urbana: “É um método de planejar ambientes de forma que a natureza do lugar e a natureza das pessoas e suas necessidades de vida, sejam combinados de forma a satisfazer as mesmas sem criar transtornos ou danos”. A falta de espaços públicos suficientes para a população foi uma forma de estimular o projeto estabelecido pela permacultura: “Tem pouca arborização urbana e poucos espaços ao ar livre, abertos, como parques para a maioria das pessoas. Existem poucas possibilidades para pessoas desempregadas aprender ou descobrir novas habilidades e compartilhar com as outras”, ressalta Pete. Então, a permacultura seria uma forma de “estabelecer linhas de comunicação amigáveis entre os elementos”.

A falta de preocupação e cuidado das pessoas para com o meio ambiente pode gerar muitos problemas. A cooperação é uma das estratégias mais importantes nesses casos. Pete esclarece que a cidade poderia ter mais música e cores já que atualmente não tem muitas árvores, com flores ou pássaros que cantam. A falta de água na cidade na época de pouca chuva e a dificuldade para reciclar matéria orgânica e outros materiais, não tem sido suficiente para obrigar as pessoas a serem mais conscientes a respeito da natureza, pois a maioria das pessoas saem das escolas sem saber qual sua própria natureza e as coisas se relacionam, afirma
Pete. 
Segundo ele, a permacultura pode ajudar os grandes centros urbanos a serem mais sustentáveis “trazendo um foco que é mais cooperativo e criativo para problemas; trabalhando para estimular o envolvimento das pessoas com reais possibilidades e não apenas piscadas momentâneas de diversão”. Além disso, essa atividade ajuda as pessoas a perceberam seu lugar na natureza e como fazer vínculos positivos com pessoas, plantas e animais com atividades criativas e sociais.

 

Abrindo mão  ✋

Tenho aprendido que não se pode ter tudo na vida. As vezes para chegar onde queremos, temos que percorrer um longo caminho, rodeado de renúncias.

Abrir mão significa deixar algumas pessoas irem embora, sair de um emprego, abandonar velhos hábitos. E na maioria das vezes, isso machuca a gente.

Em um mundo ideal, não precisaríamos deixar nada para trás. Mas não vivemos em um mundo ideal, e tudo sempre é mais complicado do que parece ser. E a cada dia que passa as coisas ficam mais difíceis. Desta forma, temos que nos adequar às circunstâncias, no sentido de sacrificar algumas coisas para ganhar outras.

Pode até ser que você seja uma pessoa super desapegada e confiante, ao ponto de ter certeza de que conquistará coisas melhores no futuro; além de não se importar com quem entra e sai da sua vida. Mas e quando temos que abrir mão de nós mesmos? Essa parte é com certeza é a mais dolorosa.

Todos nós temos um conjunto de características e gostos que formam a nossa personalidade; qualidades e defeitos que podem aparecer a qualquer momento. E essa personalidade é o que move as nossas ações e impulsos. Então, quando essas coisas interferem mais do que deveriam em nossas vidas, chega aquele momento de mudar.

Mudar não é fácil; requer tempo e esforço. Isso porque ninguém deixa de ser o que é para se tornar alguém que deve ser em questão de segundos. Todos os dias há uma luta interior dentro de nós, ao ponto de colocar em dúvida os nossos próprios objetivos. Mas quando estamos certos de onde queremos chegar, vale a pena qualquer tipo de esforço sim.

Esses últimos tempos eu tenho deixado de lado muita coisa que eu pensei que me fazia bem. Percebi então, que todo o meu antigo esforço em preencher os meus pequenos vazios estava sendo inútil. Neste momento, estou separando todo o quebra-cabeça da minha vida para juntar as peças novamente. Estou reconstruindo o meu próprio eu que ficou perdido à beira do caminho. E então pessoas, atitudes, pensamentos e posturas estão sendo colocados em cheque.

Sempre podemos ser melhores. Sempre há uma chance de escrever uma nova história. E se para isso acontecer tivermos que deixar velhas coisas de lado, que seja! O que importa? O que uma renúncia pode significar na sua vida? – Pode significar tudo! O que plantamos  é o que colhemos, e nada é em vão. Se não te acrescenta, larga mão. E você verá  as coisas maravilhosas que o futuro (Deus) te reserva.  ❤

Comece por você

Uma das nossas características principais é a exigência! Todos queremos muito, esperamos muito e criticamos muito. Mas estava pensando aqui em uma coisa: por que não fazemos para os outros o que queremos para nós? Não estou falando apenas  da questão geral da coisa, que é ser uma boa pessoa, não matar, não roubar, etc. Quero entrar num ponto específico… Ora, vejo muita gente se sentindo só, dizendo que não tem com quem conversar, nem um ombro amigo para desabafar. Mas ao invés de ficar esperando que as pessoas sejam o seu consolo, por que não começa você a ser um ombro amigo?

Enquanto estamos focados nos nossos problemas e na nossa vida de complicação, tem tanta gente precisando de um abraço, ou até mesmo de uma boa conversa. E talvez você pense que por estar sofrendo devido à alguma circunstância, não vai conseguir ajudar. Pode ser que o seu próprio coração está ferido e você tenha que ajudar a cicatrizar a ferida de alguém… o que fazer? Muitas vezes não encontramos a saída para os nossos labirintos, mas necessitamos ser a luz do fim do túnel de outra pessoa. E acredite, pode ser uma experiência incrível! 

Seja o sol no dia nublado de alguém; fale menos e ouça mais; invente um jeito de trazer a alegria para quem precisa. Coisas simples, que parecem não custar nada para nós, podem mudar o dia de alguém. Que tal aprender a olhar um pouco ao nosso redor para enxergar as necessidades de quem muitas vezes está sofrendo em silêncio? As vezes, não aconteceu nada grave… Mas quem nunca teve aquele dia que se sentiu sozinho ou até mesmo sem valor nenhum? Quem nunca ficou tão angustiado a ponto de querer sair gritando por aí? Nessas horas, ser um ombro amigo é fundamental.  

Todas as vezes que eu decido escrever um texto aqui, pode ter certeza de que não é simplesmente um: “Ah, acho que esse assunto é legal”. Eu passo dias refletindo sobre minhas próprias atitudes e sobre as minhas experiências. E uma coisa eu falo com propriedade: fico muito feliz em ver as pessoas sorrindo. E essa já é a minha recompensa. Apesar de gostar de escrever e de me expressar, quando preciso demonstrar algum tipo de afeto para alguém tenho certas dificuldades. Aí eu acabo demonstrando de outras formas: comprando um chocolate, fazendo a comida preferida, falando coisas sem sentido para que a pessoa não aguente e precise rir. E também, ouvindo; essa é a melhor forma de dizer que a pessoa não está sozinha. 

Enfim, é isso. Comece por você. Sem esperar que retribuam, sem nenhuma intenção… Apenas para ver que conseguiu ajudar!

Faça alguém feliz, e alguém também fará por você!

E se por acaso, você estiver precisando de um help pode contar comigo. Estarei aqui para tentar te fazer sorrir! 🙂

Fé ❤

Todo mundo precisa ter alguma coisa para acreditar, para dar esperança. Eu por exemplo, acredito em Deus. E Ele é quem me mantém de pé. 

Ter fé é muito mais do que dizer: “Tudo está dando certo, então Deus é comigo”. Ter fé é quando tudo parece dar errado, e mesmo assim você sabe que existe Alguém ao seu lado, e não vai te desamparar. E sabe que Ele vai cuidar de tudo, nos mínimos detalhes, para que chegue a calmaria em sua vida. 

Em todos os momentos, mesmo naqueles em que eu me sinto só, sei que Ele está comigo. Não porque eu mereço, mas devido ao seu amor infinito. Sua bondade ultrapassa qualquer limite pré-estabelecido. Tenho fé no próprio Amor, que habitou entre nós, morreu na cruz e ressuscitou.

A fé nos faz enxergar além das dificuldades e possibilidades. Nos momentos em que somos afetados  pelas tempestades, pode ser que as forças fiquem tão pequenas a ponto de pensarmos em desistir. Mas de um jeito inexplicável, Ele renova a nossa fé até que possamos vencer. 

Tenho fé em um Deus que é maior do que qualquer coisa no mundo. Que vê tudo, sabe de tudo, e controla tudo. Tudo está em Suas mãos, e Ele é o próprio poder. Tenho fé que Ele cuida de nós, nos protege e nos livra todos os dias. Acredito que só por eu ter acordado hoje recebi mais uma chance de fazer com que seja melhor do que ontem. 

Tenho fé sim, e ai de mim se não tivesse! A minha vida é resultado da minha fé e da fé da minha mãe. Eu olho para o alto e sei que de lá vem todas as minhas vitórias. E quando estou na luta, não luto sozinha. Ter fé é quando tudo está escuro, mas de alguma forma maravilhosa você consegue enxergar a luz. ❤💛💜

Amor para recomeçar 

Confesso que eu já tinha perdido as esperanças de conhecer alguém que me fizesse amar de verdade. Sabe, quando a gente se decepciona deixa de acreditar em muita coisa na vida. Mas de uns dias para cá, minha visão sobre isso tem mudado bastante.

A primeira coisa para se ter em mente é que as pessoas não são iguais. Então, não se prenda ao pessimismo e à crença de que você vai passar pelas mesmas coisas que já passou anteriormente. Sabe, talvez antes de conhecer o amor da sua vida, seja necessário encontrar um falso amor. Quero dizer que muitas lágrimas podem cair antes do tempo de sorrir. Então, não deposite as frustrações de um relacionamento que não certo em outro que está começando, pois você pode deixar de aproveitar os benefícios de ter uma nova pessoa em sua vida.

As vezes o amor machuca, e parece que nosso coração se fecha com uma espécie de proteção e encontramos muita dificuldade para cicatrizar as feridas. Logo surge a insegurança, o medo, a angústia, indiferença  e frieza. Mas você não pode fechar o seu coração por causa de alguém que não soube cuidar dele. Não é fácil, eu sei, mas antes de escrever eu tento viver exatamente o que estou dizendo para vocês. Então, sou alguém que está lutando para manter o coração livre de mágoas e ressentimentos, deixando espaço para o amor recomeçar.

A segunda coisa importante é aprender com os erros. De repente, existe alguma coisa que você precisava aprender com o antigo relacionamento. Eu aprendi muito, sabe? Inclusive a me valorizar. É necessário olhar para dentro de nós mesmos para ver que temos qualidades, e merecemos o melhor. Mas entenda bem: o melhor não quer dizer perfeição. Idealizar uma pessoa sem defeitos, do jeito que você sonha, é ilusão. Cada um tem seus erros e suas manias…

Ainda não estou vivendo um amor daqueles que faz a gente querer sair da zona racional, mas estou fazendo uma faxina aqui dentro de mim. Quero que o meu coração esteja cheio de amor, e que o recomeço me traga muitas alegrias. Quero sonhar de novo, escolher o nome dos filhos mesmo antes da gravidez e ter alguém para amar e compartilhar o melhor de mim.

Assim como você se prepara para receber uma visita em sua casa, coloque as coisas no lugar, para que quando o amor chegar ele encontre tudo bem arrumado. Não desista de acreditar que em algum lugar existe uma pessoa que vai te fazer tão bem que tudo o que fez chorar vai ser deixado para trás. “Desejo que você tenha a quem amar, e quando estiver bem cansado ainda exista amor pra recomeçar, PRA RECOMEÇAR.” ❤

O que é importante? 

Tudo o que passamos/vivemos serve como lição. Os momentos bons nos mostram que a vida vale a pena. Os ruins para valorizarmos o que realmente importa. Mas calma aí… o que realmente importa?

Muitas vezes permitimos que coisas pequenas tenham repercussões enormes na nossa vida. Damos uma importância desnecessária, que nos faz sofrer demasiadamente.

Olha, muitas vezes o que acontece na nossa vida de ruim hoje é para previnir que algo pior aconteça amanhã. É um pouco complicado, mas é verdade. Antes uma flor arrancada do que um jardim destruído. E em tudo, em TUDO, Deus está cuidando de nós. Então, tente imaginar que o que você perde no presente  não se compara com o que vai ganhar no futuro.

Não somos de ferro, claro. E eu sou extremamente emotiva. Para me chatear não precisa de muita coisa… mas aí, eu tenho aprendido a dosar até a minha chateação. Por exemplo: semana passada estava bem triste por causa de um acontecimento. Fiquei calada, pensativa, na bad e muito mais rs. Achei que duraria muito tempo, mas parei para pensar na minha vida em geral: “Gisele, olha quanto problema você já tem, vai deixar isso te entristecer tanto assim? Vale a pena?”. E a resposta é: não vale. Por causa de pequenas coisas deixamos de cuidar de nós mesmos.

Se tudo o que acontecer nos fizer desanimar onde vamos parar? A vida não é fácil, nem simples. E o mais importante: não viveremos para sempre. Amanhã tudo pode acabar, num piscar de olhos. E o que realmente importa não é quem foi embora, mas quem nunca saiu do seu lado. O que realmente importa não é a luta para conquistar o sonho, mas a realização dele. O que importa para nós  é o que faz a nossa existência valer a pena. Então pare de levar tudo tão a sério e se apegue ao que é de mais valor.

E mais uma coisa: se afaste do que te faz sofrer. Pare de se maltratar pelo o que não deu certo. Ocupe a cabeça com coisas novas, conheça outras pessoas, procure outro emprego, permita que um novo amor entre na sua vida e fique bem. Precisamos estar firmes para aguentar as pancadas da vida. 😊